“Mar de um tempo sem âncoras” de Miguel Rego e Ilustrações de Manuel Passinhas

Intervenção na apresentação do Livro e Inauguração da Exposição., Lisboa, Anagrama 27 de abril 2019.

“Mar de um tempo sem âmcoras” é um Livro- Poema Trata-se de um conjunto de 20 poemas, que tem o Mediterrâneo como pano de fundo, escrito pelo meu bom amigo Miguel Rego, museólogo de Entradas com quem tenho vindo a trabalhar à longos anos, e que hoje nos surpreende com mais este livro, com 20 ilustrações de Manuel Passinhas, aqui expostas no anagrama. Por razões tecnicas da edução, as ilustrações, inspiradas nos poemas, acabaram por não ser incluídas no livro, pelo que esta é uma ocasião única para as observar todas em conjunto. 

O que hoje se vai passar no Anagrama StudioLab  é não só a apresentação deste livro, das suas ilustrações, mas também um concerto inédito de Miguel Rego e José Miguel Rego, pai e filho, que entre gerações dialogam com o nosso tempo.

“Mar de um tempo sem âncoras”, ´e um livro com força. Quente como o mediterrâneo, ilustrado com 20 aguarelas quentes e vincadas com uma forte personalidade.

É um mediterrâneo quente, vivido pelas pessoas na sua condição humana. Tempos e terras de abastanças e frugalidade. Terras de amor e ódio. De misérias e alegrias.

O mediterrâneo é um mundo. Já foi o centro do mundo, em tempos que nos centrávamos nos limites da nossa humanidade. Foi este o mediterrâneo de onde se partiu e ao qual regressamos sempre, nas nossas dúvidas e angustias.

O pincel de Manuel Passinhas mostra-nos estes horizontes amplos. Os seus limites. O vento suão que acalentam as almas e trazem a fome ao corpo. Rostos vincados nas searas do vento. Raízes que se entranham na terra, duplicando o tempo. No final encontramo-nos com o nosso tempo e as nossas raízes.

Miguel Rego nasceu em Lisboa, no bairro da Outorela, a 12 de Abril de 1963. Filho de um alentejano de Évora. A partir de 2001 inicia a colaboração com Cláduio Torres no Campo Arqueológico de Mértola e acompanha os trabalhos na fortaleza de Noudar (Barrancos) onde se fazem as primeiras experiencias de Construção de abóbodas em Terra – A arquitetura da terra”

Trabalha há mais de 30 anos em projetos de Arqueologia e Museologia: Em Mértola, Noudar (Barrancos), Santo Amador (Moura), Mina de S. Domingos, Outurela, Mata da Machada (Barreiro) e Casa do Infante (Porto) e nos últimos anos em Entradas, onde lançou o museu da Ruralidade, base no Museu do Território de Castro Verde, que integra a aldeia Comunitárias de Aivados, ao núcleo etnográfico de Casável, ou Santa Barbara de Padrões, com as suas festas anuais com o “Campo Branco” como cenário.

Foi jornalista no Diário do Alentejo e na Revista da Indústria Têxtil, para além de colaborador em vários jornais e revistas da região, nomeadamente no Correio Alentejo, O Campaniço, Revista 30 dias, Rodapé, Serpa

Autor de várias dezenas de livros e artigos na área da história, arqueologia e museologia. A sua experiência em torno da Poesia e da prosa poética vem desde os 17 anos no DN Jovem e nos boletins da Associação de Moradores do bairro onde morava.

LIVROS PUBLICADOS

  • 2018 – Mar de um tempo sem âncoras, prosa poética, Volta d’Mar, Lisboa; (Poesia)
  • 2013 – Memórias de uma mina, Rossio de S. Sebastião (Castro Verde), trabalho de investigação, Castro Verde, Câmara Municipal de Castro Verde/Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo;
  • 2013 – casas do sul (edição bilingue português e árabe), prosa poética, em colaboração com Santiago Macias (fotografas) e Manuel Passinhas (desenhos), Mértola, Câmara Municipal de Mértola; (Poesia)
  • 2011 – morada da poesia – poetas celebram Manuel da Fonseca, coordenação da edição e textos poéticos, em colaboração com Luís Filipe Maçarico, Manuel Passinhas e outros, Castro Verde, Câmara Municipal de Castro Verde e Biblioteca Municipal Manuel da Fonseca; (Poesia)
  • 2010 – O sonho do João – A visita do Rei D. Manuel I a Castro Verde, banda desenhada, em colaboração com Joaquim Rosa, Castro Verde, Câmara Municipal de Castro Verde;
  • 2010 – Castro Verde 1910, ano dois da República, trabalho de investigação, Castro Verde, Câmara Municipal de Castro Verde;
  • 2010 – Abril, textos poéticos a partir de fotografias de Elias Rodrigues, Castro Verde, Câmara Municipal de Castro Verde; (Poesia)
  • 2007 – Santa Bárbara de Padrões – Fragmentos da Memória, coordenação da edição e textos, Santa Bárbara de Padrões, Junta de Freguesia de Santa Bárbara de Padrões;
  • 2007 – Cidades da Água, textos poéticos com desenhos de Manuel Passinhas, Castro Verde, 100Luz Edições; (Poesia)
  • 2007 – Mina de S. Domingos – 150 anos de História, DVD, coordenação, textos e fotos, Mértola, Câmara Municipal de Mértola/Fundação Serrão Martins;
  • 2004 – Monumento ao Mineiro (des)Conhecido, catálogo de escultura de Jorge Castanho, coordenação da edição, fotográfica.

Pedro Pereira Leite

Pedro Pereira Leite: Guest Professor at Lusophone University where he is a member of the executive board of the UNITWIN Chair of UNESCO "Education, Citizenship and Cultural Diversity" (2018-2022). He has been a professor in the PhD and Master's programs in Museology since 2011. He is currently promoting the installation of the MED Museum of Global Education and Cultural Diversity, a program to include local knowledge and memories to create sustainable communities. He is Member of the Direction of the International Movement for a New Museology (MINOM / ICOM). Integrates the member bodies of ICOM Portugal (2014 - 2020). He is part of several research networks and has collaborated with the UNESCO School Network and the Educating Cities Network in Portugal. It develops research activity in Portugal, Spain, Brazil and in Mozambique. It maintains the research book Education, Citizenship and Cultural Diversity (https://globaleduca.hypotheses.org/) and Social Museology and Ecomuseus in Portugal (https://ecomuseus.wordpress.com/) Contact: pedro.leite@ulusofona.pt / pedropereiraleite@hotmail.com

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.